REFLEXÃO/HOMILIA PARA O QUARTO DOMINGO DA PÁSCOA, ANO B (DOMINGO DE BOM PASTOR/VOCAÇÕES)

BONS PASTORES OU MERCENÁRIOS?
(Καλοί Ποιμένες ἢ Μισθωτοὶ;)

Primeira Leitura: Atos 4:8-12
Salmo Responsorial: Sl 117(118):1,8-9,21-23,26,28-29
Segunda Leitura: 1 João 3:1-2
Evangelho: João 10:11-18

_______________________________

Durante os tempos antigos, especialmente no Oriente Médio e nas regiões Mediterrâneas, imagens e terminologia pastorais eram comumente usadas para descrever papéis de liderança dentro da sociedade, incluindo liderança religiosa. No contexto bíblico, o termo “pastor” (Grego: ποιμήν, poimēn) foi inicialmente associado a atributos positivos, especialmente no Antigo Testamento, onde Deus frequentemente é retratado como o pastor de Seu povo (por exemplo, Salmo 23:1; Isaías 40:11). No entanto, à medida que as estruturas sociais evoluíram e a liderança religiosa se tornou institucionalizada, o conceito de liderança pastoral passou por mudanças, e nem todos os líderes que carregavam o título de “pastor” correspondiam às suas nobres conotações, até o ponto em que a palavra “pastor” se tornou corrompida e escandalosa o suficiente para ser associada, assim como o termo “político” é percebido negativamente hoje. Portanto, você pode imaginar o quão escandaloso foi para a audiência dos judeus do primeiro século na época de Cristo ouvi-lo se associar ao título de “Pastor”. No entanto, porque uma boa palavra foi corrompida pelos homens, Cristo não se envergonhou de se associar a ela. Assim, para se distinguir dos pastores corruptos (líderes religiosos) de sua época e para manter o verdadeiro e inicial significado de “pastor”, Cristo utilizou o adjetivo “bom” para qualificar seu tipo de pastoreio, dizendo: “Ἐγώ εἰμι ὁ ποιμὴν ὁ καλὸς” (Ego eimi ho poimēn ho kalos) – “Eu sou o bom pastor”. Ao mesmo tempo, ele se referiu aos falsos líderes religiosos como “mecernários” que, no verdadeiro sentido da palavra, não eram realmente pastores, como refletido na leitura do evangelho deste domingo (cf. João 10:11-18). Amados amigos em Cristo, hoje, o quarto domingo da Páscoa, a Igreja celebra Cristo, o bom Pastor, e, por extensão, todos aqueles que receberam a tarefa de pastorear o povo de Deus confiado a eles. Portanto, é imperativo que nos avaliemos com as palavras de Cristo hoje e perguntemos se somos “bons pastores” ou “mercenários”.

Para começar, é pertinente entender o contexto em que essas palavras foram usadas. O termo “Μισθωτὸς” (misthōtos), que significa “mercenário” ou “servo assalariado” ou “trabalhador contratado”, aparece seis vezes nos Evangelhos (particularmente duas vezes no Evangelho de João). Refere-se a alguém que é empregado por salário em vez de ter um investimento pessoal na tarefa ou responsabilidade, é motivado principalmente por ganho financeiro e carece de cuidado e compromisso genuínos com o trabalho. Aparentemente, sabemos o quão perigoso é deixar um negócio nas mãos de um servo contratado devido à responsabilidade limitada por suas ações e decisões. Ao contrário dos proprietários ou gerentes, que têm a responsabilidade final pelos resultados de suas escolhas, os trabalhadores contratados podem não se sentir tão responsáveis por seu desempenho ou pelas consequências de suas ações. Isso pode levar a uma falta de diligência, responsabilidade e integridade na realização de suas funções. Sem um senso de propriedade ou compromisso, eles podem não priorizar o crescimento e a sustentabilidade a longo prazo do negócio.

No contexto do pastoreio, ter um “pastor contratado” ou alguém que não foi genuinamente chamado para o ministério também se encaixa no conceito de “mercenário”. Sua falta de cuidado pastoral e compromisso genuínos com o povo de Deus é evidente, pois ele prioriza a autopreservação sobre sua segurança e proteção. O resultado é o que vemos hoje: comportamentos fraudulentos por alguns pastores, explorando seus membros da Igreja em nome de dízimos obrigatórios, falsas profecias, milagres arranjados (falsos), má interpretação de textos bíblicos para adequar suas ideologias e muito mais. Assim como o homem contratado carece de preocupação genuína pelas ovelhas e as abandona ao primeiro sinal de problemas, os falsos pastores também negligenciam suas responsabilidades pastorais e deixam de fornecer cuidado e orientação adequados aos fiéis confiados a eles. Isso destaca as consequências graves de uma liderança espiritual inadequada ou falsa. Quando o pastor falha em cumprir eficazmente seu papel, o rebanho se torna vulnerável a ataques e dispersões. A saúde espiritual e a unidade da comunidade são ameaçadas, e os indivíduos podem se perder ou se desiludir sem orientação e apoio adequados.

Em contraste com o exposto anteriormente, a ousada proclamação de Pedro na Primeira leitura deste domingo (cf. Atos 4:8-12) exemplifica o papel de um pastor fiel e bom que proclama corajosamente o nome de Jesus como o único meio de salvação. Assim como Jesus é retratado como a pedra angular sobre a qual a Igreja é construída em Atos 4:11, assim também Ele é o fundamento do cuidado pastoral e da liderança genuína dentro da comunidade cristã. Verdadeiros pastores, inspirados pelo Espírito Santo, constroem seu ministério sobre a base sólida de Jesus Cristo, guiando o rebanho até Ele como fonte de verdade, graça e salvação. Além disso, bons pastores, como o próprio Cristo, priorizam o bem-estar espiritual e a segurança do rebanho acima do ganho pessoal ou do interesse próprio, ao contrário dos “pastores mercernários”. Bons pastores exibem qualidades de desapego, amor sacrificial e dedicação total para nutrir e proteger aqueles sob seus cuidados.

Queridos amigos em Cristo, assim como Jesus, o Bom Pastor, demonstra amor altruísta e cuidado sacrificial por Seu rebanho, também somos chamados, através da Segunda Leitura (cf. 1 João 3:1-2), a emular Seu exemplo como filhos de Deus. Nossa identidade como amados filhos de Deus deve informar e moldar nossa abordagem ao cuidado pastoral e à liderança, nos inspirando a liderar com humildade, compaixão e preocupação genuína pelo bem-estar espiritual dos outros. Além disso, à luz de nossa identidade como filhos de Deus, 1 João 3:2 nos lembra do glorioso futuro que nos aguarda à medida que somos transformados à semelhança de Cristo. Enquanto nos esforçamos para emular o caráter de Jesus, o Bom Pastor, em nosso cuidado pastoral e liderança, podemos nos confortar com a certeza de que estamos sendo conformados à Sua imagem dia após dia. Isso deve moldar a maneira como interagimos com os outros, as decisões que tomamos e as prioridades que estabelecemos. Como filhos de Deus, lideremos com amor, humildade e ousadia, sabendo que somos chamados a ser fiéis administradores do Evangelho e embaixadores do reino de Cristo.

À medida que caminhamos pelas complexidades do ministério nos dias de hoje, é imperativo que permaneçamos firmes em nosso compromisso de servir ao povo de Deus com humildade, compaixão e integridade. A juxtaposição entre o bom pastor e o mercernário nos desafia a considerar as motivações por trás de nosso ministério pastoral. Somos impulsionados por um amor genuíno por Deus e Seu povo, ou estamos apenas cumprindo um dever por ganho pessoal? A resposta a esta pergunta molda não apenas nossas interações com os outros, mas também a saúde espiritual e a unidade da comunidade. Ao refletirmos sobre as palavras de Cristo e os exemplos delineados na Escritura, esforcemo-nos para ser bons pastores que priorizam o bem-estar espiritual e a segurança do rebanho acima de tudo. Possamos emular o amor altruísta e o cuidado sacrificial demonstrados por Jesus, a pedra angular de nossa fé, e liderar com humildade, compaixão e firme resolução para nutrir e proteger aqueles sob nossos cuidados.

À medida que embarcamos nesta jornada de fé e serviço, oremos fervorosamente por todos aqueles que abraçaram vocações dentro da Igreja. Que o Espírito Santo os fortaleça e sustente em seus respectivos papéis, concedendo-lhes sabedoria, coragem e discernimento ao pastorear o povo de Deus. Oferecemos nossas orações, especialmente pelo Santo Padre, o Papa, como o Pastor Principal de todo o rebanho, para que ele seja sempre guiado pelo Espírito Santo ao liderar a Igreja com sabedoria e compaixão. Também nos comprometemos com outros pastores – Cardeais, Bispos, Párocos, Capelães, Padres Responsáveis, e todos os outros em posições de liderança religiosa – a suas várias responsabilidades como pastores, para que possam cumprir fielmente seus deveres com humildade, integridade e compromisso firme com o Evangelho. Que Deus abençoe e proteja todos aqueles que trabalham em Sua vinha, e que Ele lhes conceda a graça de serem verdadeiros pastores segundo o Seu coração. Amém.

Shalom!
© Pe. Chinaka Justin Mbaeri, OSJ
Seminário Padre Pedro Magnone, São Paulo, Brazil
nozickcjoe@gmail.com / fadacjay@gmail.com

__________________________
Já rezou o terço hoje?

NEVER MISS AN UPDATE AGAIN.

Subscribe to latest posts via email.


Chinaka Justin Mbaeri

A staunch Roman Catholic and an Apologist of the Christian faith. More about him here.

View all posts
Subscribe
Notify of
guest

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x

Discover more from Fr. Chinaka's Media

Subscribe now to keep reading and get access to the full archive.

Continue reading