REFLEXÃO/HOMILIA PARA O DÉCIMO QUARTO DOMINGO DO TEMPO COMUM, ANO B

ENCONTRANDO GRAÇA NO ESPINHO DA OPOSIÇÃO NO MINISTÉRIO

Primeira Leitura: Ezequiel 2,2-5
Salmo Responsorial: Sl. 122(123)
Segunda Leitura: 2 Coríntios 12,7-10
Evangelho: Marcos 6,1-6
________________________________________

Como cristãos, seja servindo em nossas comunidades paroquiais locais ou embarcando em jornadas missionárias em terras estrangeiras, muitas vezes enfrentamos dificuldades significativas ou experiências espinhosas. Isso pode incluir rejeição, oposição e vários desafios que tornam nossa missão assustadora. Essas experiências não são novas; refletem as provações enfrentadas pelos profetas antigos, pelo próprio Cristo, seus discípulos, São Paulo e outros cristãos. Essas dificuldades podem testar nossa determinação e fé, mas também oferecem uma oportunidade para aprofundar nossa confiança na graça de Deus. As leituras deste domingo enfatizam o tema de perseverar nas dificuldades do trabalho de Deus e confiar em Sua graça para nos sustentar. Ao refletir sobre essas leituras, vemos que enfrentar dificuldades faz parte de nossa jornada cristã. Assim, somos convidados a confiar na promessa de Deus de que Ele completará a boa obra que começou em nós.

Na Primeira Leitura (cf. Ezequiel 2,2-5), vemos Ezequiel sendo chamado por Deus para profetizar aos israelitas, descritos como um povo rebelde e obstinado. O Espírito de Deus (רוּחַ – ruach) capacita Ezequiel a ficar em pé e ouvir as palavras de comissionamento de Deus. O termo רוּחַ (ruach), que significa sopro ou espírito, simboliza a presença capacitadora de Deus. Apesar da teimosia do povo, Ezequiel é comandado a entregar a mensagem de Deus a eles. A frase בְּנֵי מְרִי (b’nei meri), que significa “filhos da desobediência”, capta o público desafiador ao qual Ezequiel é enviado, mas é a força de Deus que o sustenta. Isso destaca que, mesmo quando enfrentamos rebelião e resistência, a graça de Deus capacita Seus servos a cumprir sua missão. Isso explica por que o Salmo de hoje (Sl. 122[123]) nos ensina a manter uma postura de humildade e dependência de Deus, especialmente em tempos de angústia, confiando em Seu cuidado misericordioso. Aqui, o salmista levanta seus olhos ao Senhor, buscando Sua misericórdia e graça. O termo hebraico עֵינֵינוּ (eineinu), que significa “nossos olhos”, significa olhar para Deus com esperança e confiança. O pedido de misericórdia (חָנֵּנוּ – channenu) reflete o reconhecimento do salmista de sua necessidade de intervenção compassiva de Deus.

A oposição rebelde e as dificuldades enfrentadas por Ezequiel também refletem as oposições e dificuldades enfrentadas por Jesus em Sua cidade natal, como mostrado na Leitura do Evangelho de hoje (cf. Marcos 6,1-6). Aqui, Marcos apresenta o retorno de Jesus à Sua cidade natal, onde Ele enfrenta rejeição. Apesar de Sua sabedoria e feitos miraculosos, as pessoas se ofenderam com Ele, questionando Sua autoridade porque conheciam Sua família. Fomos informados de que “eles se ofenderam” com Jesus. O termo grego usado aqui é “ἐσκανδαλίζοντο” (eskandalizonto), que vem da raiz σκανδαλίζω (skandalizo), que significa “fazer tropeçar” ou “ofender”. Este termo é usado no Novo Testamento para descrever situações em que indivíduos são levados ao pecado, descrença ou rejeição devido a um obstáculo ou ofensa particular. Muitas vezes, carrega a conotação de uma forte reação emocional, como ofensa, indignação ou choque, que leva alguém a rejeitar ou se afastar de algo. Então, na leitura do evangelho de hoje, o termo ἐσκανδαλίζοντο é usado para descrever a reação do povo da cidade natal de Jesus, que, apesar de testemunhar Sua sabedoria e milagres, se ofendeu com Ele devido à familiaridade com Sua origem. Eles não conseguiram reconciliar seu conhecimento das origens humildes de Jesus com Sua autoridade divina, levando-os a rejeitá-Lo. Este cenário ilustra como a familiaridade excessiva e os preconceitos podem nos cegar para a verdade divina e nos fazer tropeçar em nossa fé. A falta de fé deles (ἀπιστία – apistia) limita a manifestação de Seu poder entre eles. A resposta de Jesus, “Um profeta não é sem honra, exceto em sua própria terra”, reflete o paradoxo da revelação divina: aqueles mais próximos dela às vezes são os mais resistentes. Esta passagem nos chama a examinar nossa própria abertura ao trabalho de Deus em nossas vidas e nos desafia a ir além da familiaridade para uma fé genuína e confiança em Seu poder.

Da mesma forma, Paulo na Segunda Leitura (cf. 2 Coríntios 12,7-10), compartilha sua luta ou dificuldade pessoal com um “espinho na carne”. A palavra grega usada aqui é σκόλοψ (skolops), que pode ser traduzida como “espinho” ou “estaca”, referindo-se a um pedaço de madeira pontiagudo ou um caco, algo afiado que causa dor ou desconforto. Na literatura grega clássica, era usada para descrever um espinho ou caco literal e também podia se referir metaforicamente a algo que causa problema ou incômodo persistente. A referência de Paulo ao σκόλοψ na segunda leitura de hoje é particularmente significativa. Ele o descreve como “um espinho na carne, um mensageiro de Satanás para me atormentar”, que foi dado para evitar que ele se tornasse arrogante devido à grandeza das revelações que recebeu. A natureza exata deste espinho não é especificada, levando a várias interpretações. Alguns estudiosos sugerem que poderia ser uma doença física, uma luta espiritual ou oposição de outros. No contexto de Paulo, o σκόλοψ representa uma luta ou aflição persistente que ele deve suportar. Serve a um propósito no plano de Deus, mantendo Paulo humilde e dependente da graça de Deus. Isso está alinhado com encontrar força na fraqueza e confiar na suficiência de Deus. Para Paulo, o espinho na carne é um lembrete de que o poder de Deus se aperfeiçoa na fraqueza, demonstrando a importância da dependência da graça divina em vez da força pessoal. Apesar de suplicar a Deus pela sua remoção, Paulo é informado: “Minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza.” A aceitação de Paulo de sua fraqueza revela uma verdade profunda: nossas limitações criam espaço para que a força de Deus se manifeste. O verbo τελειοῦται (teleiouitai), que significa “se aperfeiçoa”, indica um processo de completude ou cumprimento. Em nossas fraquezas, o poder de Deus atinge sua plena expressão, demonstrando que Sua graça é suficiente para nos sustentar em qualquer prova. A declaração de Paulo, “quando sou fraco, então sou forte” (ὅταν ἀσθενῶ, τότε δυνατός εἰμι – hotan astheno, tote dynatos eimi), nos desafia a ver nossas vulnerabilidades como oportunidades para que a força de Deus seja revelada. Isso demonstra que as aflições persistentes que experimentamos em nossas vidas espirituais diárias e empreendimentos missionários podem não ser removidas de nós, mas a graça de Deus permanece suficiente para nos fazer passar, assim como Sua graça ajudou os outros discípulos, Ezequiel (na Primeira Leitura) e outros profetas em meio às suas dificuldades.

À luz dessas leituras, caros amigos, aprendemos que as dificuldades que enfrentamos ao fazer a obra de Deus são oportunidades para experimentar a suficiência da graça de Deus. Como Ezequiel, somos chamados a confiar no Espírito de Deus para cumprir nossa missão, mesmo quando enfrentamos oposição. O salmista nos ensina a buscar a misericórdia de Deus e confiar em Seu cuidado. A experiência de Paulo nos lembra que a graça de Deus é suficiente para nos sustentar em nossas fraquezas, e a rejeição de Jesus em Sua cidade natal nos desafia a aprofundar nossa fé e confiança nEle. Praticamente, isso significa que devemos abraçar nossas fraquezas e limitações, convidando a graça de Deus a trabalhar através delas. Devemos cultivar uma vida de oração, buscando a presença e orientação de Deus em todas as circunstâncias. Em momentos de rejeição ou dificuldade, devemos lembrar que a graça de Deus é suficiente, e Seu poder se aperfeiçoa em nossas fraquezas. Essa perspectiva nos permite viver com confiança e esperança, confiando que Deus está trabalhando em e através de nossas vidas, mesmo quando enfrentamos desafios espinhosos.

Shalom!
© Pe. Chinaka Justin Mbaeri, OSJ
Seminário Padre Pedro Magnone, São Paulo, Brasil
nozickcjoe@gmail.com / fadacjay@gmail.com

__________________________
Você já rezou o seu rosário hoje?

NEVER MISS AN UPDATE AGAIN.

Subscribe to latest posts via email.


Chinaka Justin Mbaeri

A staunch Roman Catholic and an Apologist of the Christian faith. More about him here.

View all posts
Subscribe
Notify of
guest

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x

Discover more from Fr. Chinaka's Media

Subscribe now to keep reading and get access to the full archive.

Continue reading