HOMILIA/REFLEXÃO NA SOLEMNIDADE DA NATIVIDADE DE S. JOÃO BATISTA

A ALEGRIA, A MARAVILHA E O PROPÓSITO DIVINO DO NASCIMENTO DE CADA CRIANÇA

Primeira Leitura: Isaías 49,1-6
Salmo Responsorial: Sl. 138(139),1-3,13-15
Segunda Leitura: Atos 13,22-26
Leitura do Evangelho: Lucas 1,57-66,80
___________________________________

Era uma vez, nas vastas e encantadoras paisagens de uma savana africana onde as pessoas viviam em harmonia com a natureza, um sábio ancião reuniu os aldeões aninhados em meio a uma vegetação luxuriante iluminada pelo luar diante de uma fogueira crepitante e compartilhou uma história que ficou gravada no tecido de sua cultura. Era a história de uma leoa corajosa que governou o reino animal após a morte de seu marido, deixando-a grávida. Ela era forte e nobre, temida por todas as criaturas. sua juba dourada fluindo como rios de fogo enquanto ela comandava o respeito de todas as criaturas grandes e pequenas. Mas no coração dessa temível rainha, uma transformação milagrosa ocorreu no dia de seu parto. Lendo este conto poético atemporal, tecido na tapeçaria da sabedoria antiga que ressoa com o batimento cardíaco da humanidade, minha atenção foi atraída para a cena em torno do nascimento de seu filhote, que seria o foco de nossa reflexão hoje. Em resumo, ela deu à luz um pequeno e frágil filhote de leão, e o mundo ficou paralisado. Do mais poderoso elefante ao menor colibri, todas as criaturas pararam em reverência, sentindo o significado divino deste nascimento, que os fez se reunirem em torno da cena para prestar homenagem e lealdade. Era como se o próprio tecido da criação estremecesse de ansiedade, pois o nascimento desse filhote significava esperança, o alvorecer de uma nova era e um chamado divino. Ao refletirmos sobre a solenidade da Natividade de São João Batista, esse conto africano ressoa profundamente em nós. Hoje, nos reunimos para celebrar o nascimento de mais uma criança, não uma criança qualquer, mas uma criança que carregava dentro de si o destino de cumprir um propósito divino. São João Batista, nascido neste mundo, anunciou o alvorecer de uma nova era, a vinda do tão esperado Messias, Jesus Cristo. Com o nascimento de João Batista, somos chamados a refletir sobre a alegria, a maravilha e o propósito divino do nascimento de cada criança.

Na primeira leitura do livro de Isaías (Isaías 49,1-6), ouvimos as palavras proféticas que prenunciam a missão de João Batista. O profeta Isaías descreve como Deus o chamou desde o ventre de sua mãe, ainda antes de seu nascimento, para ser um servo e uma luz para as nações, designado para levar a salvação até os confins da terra. Da mesma forma que o nascimento do filhote de leão no conto africano trouxe uma mensagem de esperança e transformação, também o nascimento de São João Batista trouxe uma mensagem divina que ecoou por gerações, preparando o caminho para a salvação de toda a humanidade. Esta passagem enfatiza o relacionamento íntimo entre Deus e Seu servo escolhido, o propósito especial para o qual ele foi separado. Revela que a vida de João não foi uma ocorrência aleatória, mas parte do plano divino de Deus – um plano que foi tecido no tecido da própria criação, não é de admirar que celebremos a solenidade de seu nascimento, algo que raramente comemoramos na Igreja. Desnecessário dizer que apenas comemoramos a morte de todos os santos como o dia de sua entrada triunfal na glória celestial, mas apenas celebramos o nascimento de três grandes figuras no calendário litúrgico da Igreja – São João Batista, a Bem-Aventurada Virgem Maria e nosso Senhor Jesus Cristo.

Quando Isaías fala de sua vocação desde o ventre de sua mãe, mesmo antes de seu nascimento, ele leva para casa um sentimento de conhecimento íntimo de Deus sobre ele. Isto ajuda-nos a compreender melhor o Salmo Responsorial (138[139]:1-3,13-15) do dia, que faz eco deste sentimento de conhecimento íntimo de Deus sobre nós, como proclama o salmista: «Tu formaste o meu interior; tu me teceste no ventre de minha mãe”. É uma bela reflexão sobre a profundidade do amor de Deus e Seu intrincado envolvimento em todos os aspectos de nossa existência. A história do filhote de leão ecoa essa verdade, pois o nascimento do filhote significou uma conexão profunda com o coração da criação. Da mesma forma, São João Batista, criado por Deus de maneira assombrosa e maravilhosa, estava destinado a cumprir seu propósito sagrado, sua vida intricadamente tecida na tapeçaria divina da salvação. Assim como Deus conheceu e formou João Batista no ventre de sua mãe, Ele conhece cada um de nós intimamente e tem um propósito para nossas vidas.

Voltando à segunda leitura dos Atos dos Apóstolos (13,22-26), encontramos a proclamação de São Paulo sobre a linhagem do rei Davi, uma linhagem que levaria ao nascimento de Jesus Cristo. Assim como o nascimento do filhote de leão no conto africano marcou uma nova era, o nascimento de São João marcou uma virada na história da salvação. São Paulo nos lembra que o plano de Deus se desenvolve através das gerações, tecendo os fios da profecia e do cumprimento, levando finalmente ao nascimento do Salvador. A leitura também enfatiza que João se considerava indigno de desamarrar as sandálias daquele que viria depois dele. Sua humildade e reconhecimento da grandeza de Jesus servem como um poderoso lembrete para reconhecermos humildemente nossa própria indignidade diante do Senhor e prepararmos nossos corações para Sua vinda.

E numa experiência mais realista e concreta, no Evangelho de hoje (Lc 1,57-66,80), encontramos a alegre narração do nascimento e nomeação de João Batista. O anjo Gabriel apareceu a Zacarias, pai de João, anunciando que ele e sua esposa, Isabel, conceberiam um filho na velhice. A alegria e o encantamento que cercam este evento reverberam com os ecos do conto africano. Os pais idosos, Isabel e Zacarias, dão à luz um filho apesar da esterilidade de seus anos, e o nome “João” é proclamado, contrariando as expectativas. O nome da criança ressoa com significado divino, um nome escolhido pelo próprio Deus. Como na história do filhote de leão, o nascimento de João Batista marca um momento crucial, onde o céu e a terra convergem em antecipação à chegada do Messias. Esse nascimento foi o cumprimento do plano de Deus e trouxe grande alegria e admiração a todos que o ouviram.

As leituras de hoje nos apresentam lições profundas que ressoam com nossas próprias vidas como discípulos de Cristo. Como João Batista, também nós somos chamados a ser servos de Deus, a fazer brilhar a Sua luz no mundo e a preparar o caminho para a vinda de Jesus ao coração dos outros. Somos lembrados do relacionamento único e pessoal que temos com nosso Pai Celestial, que nos conhece intimamente e tem um propósito para cada um de nós. Assim como João humildemente reconheceu seu lugar em relação a Jesus, nós também devemos reconhecer humildemente nossa dependência Dele e buscar diminuir para que Cristo cresça em nossas vidas. Ao refletirmos sobre a história do filhote de leão e o nascimento de São João Batista, somos chamados a reconhecer a sacralidade de cada criança nascida neste mundo. Assim como o nascimento do filhote de leão trouxe esperança e transformação ao reino animal, também o nascimento de cada criança traz o potencial de renovação e salvação para nossa família humana. Que possamos abraçar o milagre do nascimento com reverência e admiração, valorizando cada criança como um presente de Deus, dotado de um propósito e destino únicos, e lembrando nossa missão de proteger o nascituro no útero. Vamos, como os sábios aldeões do conto africano, reconhecer o significado do nascimento de São João Batista e do nascimento de cada criança como um convite para alimentar a esperança, cultivar o amor e preparar o caminho para Cristo em nossos corações e em nosso mundo.

Ao celebrarmos a solenidade de São João Batista, vamos refletir sobre o exemplo que ele nos deixou: sua fé inabalável, sua humildade e sua dedicação em preparar o caminho para o Senhor. Que possamos responder ao chamado de Deus em nossas próprias vidas, sabendo que Ele nos formou e tem um propósito para nós. Sejamos corajosos na proclamação da verdade, apontando outros para Cristo e preparando o caminho para Sua vinda em suas vidas. Que o exemplo de São João Batista, que cumpriu seu chamado divino com devoção inabalável, nos inspire a abraçar nosso propósito único, ser arautos da esperança e portadores da luz de Deus em um mundo que anseia pela salvação.

(CLIQUE AQUI PARA A REFLEXÃO DO PRÓXIMO DIA: REFLEXÃO/HOMILIA DO DÉCIMO SEGUNDO DOMINGO DO TEMPO COMUM)

OU

(CLIQUE AQUI PARA A REFLEXÃO DA SEGUNDA-FEIRA DA DÉCIMA SEGUNDA SEMANA DO TEMPO COMUM)

Shalom!
© Pe. Chinaka Justin Mbaeri, OSJ
Paróquia Nossa Senhora de Loreto, Vila Medeiros, São Paulo.
nozickcjoe@gmail.com / fadacjay@gmail.com
___________________________________
PS: Você já rezou o seu terço hoje?

NEVER MISS AN UPDATE AGAIN.

Subscribe to latest posts via email.


Chinaka Justin Mbaeri

A staunch Roman Catholic and an Apologist of the Christian faith. More about him here.

View all posts
Subscribe
Notify of
guest

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x

Discover more from Fr. Chinaka's Media

Subscribe now to keep reading and get access to the full archive.

Continue reading