REFLEXÃO/HOMILIA PARA QUINTA-FEIRA DÉCIMA TERCEIRA SEMANA DO TEMPO COMUM

O SIGNIFICADO DA FÉ E DA CRENÇA NO PODER DE DEUS

Primeira Leitura: Gênesis 22,1-19
Salmo Responsorial: Sl. 114(116),1-6,8-9
Leitura do Evangelho: Mateus 9,1-8
_______________________________________

Nas profundezas do espírito humano reside um anseio inato por algo maior do que nós mesmos, uma sede insaciável de significado e propósito que transcende os limites de nossa existência. É dentro desse anseio sagrado que a fé e a crença encontram sua morada, oferecendo-nos um vislumbre do extraordinário poder de Deus. Como uma chama bruxuleante na escuridão, a fé ilumina nossas almas e inflama nossos corações com uma verdade retumbante: que não estamos sozinhos, mas intimamente conectados a uma presença divina que mantém o universo em suas mãos. Como tal, apresentada com as leituras de hoje, a Igreja nos convida a embarcar em uma jornada transformadora, revelando o significado da fé e da crença no poder de Deus. Em outras palavras, a mensagem de hoje sobre o significado da fé e da crença no poder de Deus ecoa pelos corredores do tempo, convidando-nos a contemplar a qualidade de nossa fé e obediência e a encontrar o amor e a misericórdia sem limites que nos esperam em nosso relacionamento com Deus.

Ao mergulharmos na Primeira Leitura do livro de Gênesis (22,1-19), somos envolvidos pela fé inabalável e crença de Abraão no poder de Deus. Nesse relato, testemunhamos um teste monumental que estenderia os limites da fé de Abraão até o limite. É neste cadinho que a profundidade da confiança de Abraão e sua devoção inabalável a Deus é revelada, deixando-nos maravilhados e admirados. Deus ordena a Abraão que ofereça seu amado filho, Isaque, como sacrifício — uma exigência que parece inimaginável, inconcebível para a mente humana. No entanto, a resposta de Abraão é de obediência e fé inabalável. Sem hesitar, levanta-se de manhã cedo e põe-se a caminho do monte Moriá, levando consigo Isaque, a lenha para a oferta e o coração cheio de confiança na providência de Deus. E, de fato, Deus providenciou um substituto para o sacrifício.

E agora, quando voltamos o olhar para a leitura do Evangelho de Mateus (9,1-8), uma cena notável se desenrola diante de nós. Assistimos à chegada de um paralítico, carregado pelos seus amigos, aos pés de Jesus. Em sua fé e crença inabaláveis, eles abrem o telhado de uma casa e colocam o paralítico na presença de Cristo. O que acontece a seguir é uma exibição de tirar o fôlego da interação entre a fé e o poder transformador de Deus. Jesus, reconhecendo a crença deles, perdoa os pecados do homem e depois cura sua enfermidade física. O paralítico se levanta, liberto das algemas que o prendiam, com sua vida alterada para sempre pelo poder da fé.

Nesses encontros sagrados narrados nas duas leituras acima, somos chamados a embarcar em nossa própria jornada pessoal de fé e crença. É um convite a olhar além das limitações de nossa compreensão humana e a nos entregarmos a um poder maior que nós mesmos. A fé e a crença não são construções meramente intelectuais; eles são o batimento cardíaco pulsante de nossas vidas espirituais, a bússola que nos guia através dos mares tumultuosos da existência. No fundo de nossas almas, a fé acende uma chama que desafia a escuridão. Dá-nos coragem para enfrentar as nossas dúvidas, resistência para suportar as provações da vida e audácia para sonhar com uma realidade repleta de possibilidades divinas. A fé nos permite dançar em meio às incertezas da vida, abraçar o desconhecido de braços abertos, sabendo que estamos nas mãos de um Deus que molda destinos e orquestra milagres.

Queridos amigos em Cristo, em meio às tempestades da vida, quando a dúvida se insinua e a escuridão ameaça nos envolver, podemos nos agarrar firmemente à âncora da fé e nos aproximar do autor e consumador de nossa fé. Pois é nesses momentos de rendição, quando humildemente reconhecemos nossas limitações e abraçamos a vastidão do poder de Deus, que somos conduzidos a um reino de possibilidades ilimitadas; deixando-nos cheios de admiração e exclamando como o salmista “Eu amo o Senhor porque ele ouviu o clamor do meu apelo; pois ele voltou seus ouvidos para mim no dia em que o chamei”. Nesta declaração simples, mas profunda, somos lembrados de que nossa fé não é um conceito abstrato, mas uma conexão viva e vibrante com um Deus que ouve nossos clamores, ouve nossos apelos e responde às profundezas de nossos corações. É pela fé que entramos em um diálogo sagrado com o Divino, sabendo que nossas orações não caem em ouvidos surdos, mas são mantidas no abraço amoroso de um Deus onipotente e compassivo.

Ao refletirmos sobre o significado da fé e da crença no poder de Deus, lembremo-nos de que é por meio desses canais sagrados que os milagres nascem, as vidas são transformadas e os destinos são traçados. Que possamos alimentar a chama da fé dentro de nós, cuidando dela com devoção e confiança inabaláveis. Embarquemos neste caminho de fé, acendendo a chama dentro de nós; cultivemos uma crença profunda e duradoura no poder de Deus e nos entreguemos ao amor transformador que nos espera. Ao fazer isso, liberamos o potencial ilimitado que está adormecido dentro de nós e nos tornamos co-criadores na tapeçaria divina da vida.

(CLIQUE AQUI PARA A REFLEXÃO DO PRÓXIMO DIA: REFLEXÃO/HOMILIA PARA SEXTA-FEIRA DA DÉCIMA TERCEIRA SEMANA DO TEMPO COMUM)

Shalom!
© Pe. Chinaka Justin Mbaeri, OSJ
Paróquia Nossa Senhora de Loreto, Vila Medeiros, São Paulo, Brasil
nozickcjoe@gmail.com / fadacjay@gmail.com
__________________________
Já rezaste o teu terço hoje?

NEVER MISS AN UPDATE AGAIN.

Subscribe to latest posts via email.


Chinaka Justin Mbaeri

A staunch Roman Catholic and an Apologist of the Christian faith. More about him here.

View all posts
Subscribe
Notify of
guest

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x

Discover more from Fr. Chinaka's Media

Subscribe now to keep reading and get access to the full archive.

Continue reading