REFLEXÃO/HOMILIA PARA QUINTA-FEIRA DA DÉCIMA PRIMEIRA SEMANA DO TEMPO COMUM

A AUTENTICIDADE, HUMILDADE E REVERÊNCIA NA ORAÇÃO POR UMA CONEXÃO GENUÍNA COM DEUS

Primeira Leitura: 2 Coríntios 11,1-11
Salmo Responsorial: Sl. 110(111),1-4,7-8
Leitura do Evangelho: Mateus 6,7-15
_________________________________

No fundo de nossas almas, ansiamos por uma conexão que transcenda o mundano e toque o divino. É nessa busca de um encontro profundo com o sagrado que nos voltamos para a oração – uma ponte etérea que nos une a um poder superior. Hoje, mergulhamos nas palavras de Cristo na leitura do evangelho e, por meio delas, descobrimos o poder transformador da oração. Ao refletirmos sobre esta passagem, inspiramo-nos também nas lições da primeira leitura, onde São Paulo nos recorda a autenticidade e a pureza que a oração requer, com a ênfase em não sobrecarregar financeiramente os coríntios, o que é um lembrete de que a fé autêntica a espiritualidade transcende o ganho material e exige um compromisso com a igualdade social e a compaixão.

Na leitura do Evangelho de Mateus 6,7-15, o próprio Jesus ensina seus discípulos sobre a essência da oração. Primeiro, ele adverte contra frases vazias e repetições vãs – “Em suas orações, não balbucie como os pagãos, pois pensam que usando muitas palavras se farão ouvir. Não seja como eles; seu Pai sabe o que você precisa antes de você pedir a ele”. Por meio dessas palavras, Jesus revela que a oração não é um esforço estereotipado, mas uma conversa profunda com o Divino. Consequentemente, Jesus dirige sua atenção para o modelo de oração que hoje conhecemos como Pai Nosso, uma expressão sucinta e profunda de todas as nossas necessidades espirituais mais profundas. É um convite para desnudarmos nossas almas, expressando nossas alegrias, medos e desejos mais profundos diante da presença amorosa de Deus. Nesse ato de vulnerabilidade, convidamos a transformação para nossas vidas, pois a oração tem o poder de moldar nossos corações e alinhar nossas vontades com o propósito divino.

Justapondo esta lição aos ensinamentos de São Paulo na Segunda Leitura (2 Coríntios 11,1-11), encontramos um apelo à autenticidade e pureza em nossas orações. A mensagem de Paulo ressoa com os ensinamentos de Jesus, pois ele exorta os coríntios a discernir os falsos ensinamentos e a se manterem firmes na verdade. O contexto sociológico de 2 Coríntios 11,1-11 oferece informações valiosas sobre a dinâmica das comunidades religiosas e suas práticas, particularmente em relação à oração. Compreender o contexto enriquece nossa compreensão das lições contidas na passagem e fornece uma estrutura para conectá-la ao poder transformador da oração. Na época em que Paulo escreveu, a comunidade coríntia estava enfrentando desafios como divisões, ensinos conflitantes e a influência de líderes carismáticos. Este contexto sociológico ilumina a importância do discernimento e da autenticidade na oração. Os coríntios eram vulneráveis ao fascínio de oradores eloquentes e reivindicações grandiosas, que poderiam ter influenciado suas práticas de oração e crenças. Em resposta a esses desafios, Paulo enfatiza a sinceridade e a pureza de seus motivos e ensinamentos. Ele emprega linguagem autodepreciativa para contrastar seu próprio serviço sacrificial com a grandiosidade e autopromoção dos líderes rivais. Isso destaca a necessidade de a oração ser fundamentada na autenticidade, humildade e uma conexão genuína com o divino. As lições extraídas aqui nos lembram de abordar a oração com discernimento, questionando os motivos e ensinamentos daqueles que buscam influenciar nossas práticas espirituais. Da mesma forma, em nossas orações, somos chamados a examinar nossas intenções e motivações. Nossas palavras e súplicas são ditas com um desejo genuíno de comungar com Deus, ou são apenas atos performativos buscando o reconhecimento dos outros? Somos desafiados a sondar nossos corações, para garantir que nossas orações fluam de um lugar de autenticidade e reverência, transcendendo as armadilhas externas da religiosidade. Além disso, a passagem destaca a importância da humildade na oração. O tom autodepreciativo de Paulo nos lembra que a verdadeira espiritualidade não é nos vangloriar ou nos elevar, mas reconhecer nossa dependência de Deus e abordar a oração com humildade e reverência. Convida-nos a abandonar nosso ego e adotar uma postura de vulnerabilidade, reconhecendo nossas fraquezas e buscando a força e a orientação de Deus.

Voltando ao Salmista de hoje no Salmo 110(111),1-4,7-8, encontramos um hino de louvor e ação de graças, exaltando as maravilhas do Senhor. O salmista nos convida a refletir sobre a grandeza e a bondade de Deus, cujas obras são constantes e justas. Neste salmo, vislumbramos o poder da oração como um veículo para reconhecer e comungar com o Divino. É por meio da oração que expressamos nossa gratidão, entregamos nossas preocupações e buscamos consolo e sabedoria na fonte de toda a criação. As palavras do salmista nos lembram que a oração não é um mero ritual, mas um encontro profundo e transformador com a presença divina que molda e guia nossas vidas.

Queridos amigos em Cristo, a oração, quando abordada com sinceridade e pureza, torna-se uma força transformadora em nossas vidas. Abre uma porta para orientação divina, cura e restauração. Por meio da oração, entregamos nossas preocupações, buscamos perdão por nossas falhas e cultivamos um profundo senso de confiança na providência de Deus. É neste espaço sagrado que descobrimos a força para perdoar os outros, estender a misericórdia e abraçar o poder transformador da reconciliação, conforme consagrado na Oração do Pai Nosso. Ao refletirmos sobre os ensinamentos de Jesus e as palavras de Paulo, somos lembrados da interconexão entre autenticidade na oração e o poder transformador que ela possui. Nossas orações, quando oferecidas com um coração genuíno, tornam-se um catalisador para o crescimento pessoal, nutrição espiritual e aprofundamento de nosso relacionamento com Deus. Que possamos abraçar este convite sagrado para nos envolvermos em oração como uma conversa íntima com o Divino. Vamos nos livrar do peso do fingimento, oferecendo nosso verdadeiro eu, vulnerável e aberto, na presença de Deus. Ao fazer isso, permitimos que a oração se torne uma jornada transformadora, onde nossos corações são moldados, nossos espíritos são renovados e somos levados a viver vidas que refletem o profundo amor e a graça que encontramos em nossas conversas sagradas com o Divino.

(CLIQUE AQUI PARA A REFLEXÃO DO PRÓXIMO DIA: REFLEXÃO/HOMILIA PARA SEXTA-FEIRA DA DÉCIMA PRIMEIRA SEMANA DO TEMPO COMUM)

Shalom!
© Pe. Chinaka Justin Mbaeri, OSJ
Paróquia Nossa Senhora de Loreto, Vila Medeiros, São Paulo.
nozickcjoe@gmail.com / fadacjay@gmail.com
___________________________________
PS: Você já rezou o seu terço hoje?

NEVER MISS AN UPDATE AGAIN.

Subscribe to latest posts via email.


Chinaka Justin Mbaeri

A staunch Roman Catholic and an Apologist of the Christian faith. More about him here.

View all posts
Subscribe
Notify of
guest

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x

Discover more from Fr. Chinaka's Media

Subscribe now to keep reading and get access to the full archive.

Continue reading