HOMILIA/REFLEXÃO PARA QUARTA-FEIRA DÉCIMA SEGUNDA SEMANA DO TEMPO COMUM (MEMÓRIA DE SANTO IRENAEU, BISPO, DOUTOR, MÁRTIR)

SANTO IRENAEU: DISCERNIMENTO E PRODUZINDO BONS FRUTOS

Primeira Leitura: Gn 15,1-12,17-18
Salmo Responsorial: Sl. 104(105),1-4,6-9
Leitura do Evangelho: Mateus 7,15-20
_____________________________________________

No intrincado tecido da vida, nos deparamos com inúmeras escolhas e encontros que moldam nossa jornada. Por vezes, o caminho a seguir parece velado, envolto em ambiguidade e incerteza. Nesses momentos, a necessidade de discernimento torna-se fundamental – uma bússola interior que nos guia em direção à verdade, à bondade e à autenticidade. O discernimento é a arte de perceber além das aparências, perscrutando as profundezas das situações, das ideias e até das pessoas, para distinguir os frutos que elas trazem. Neste dia, portanto, somos chamados a refletir sobre o tema do discernimento e do bom fruto refletido na vida de Santo Irineu, cuja memória celebramos.

Na leitura do Evangelho (Mateus 7:15-20), Jesus transmite profunda sabedoria ao advertir Seus discípulos sobre os falsos profetas que se disfarçam de ovelhas, mas abrigam segundas intenções. Ele os exorta a discernir a verdadeira natureza desses indivíduos examinando os frutos de suas palavras e ações. Esse chamado ao discernimento ressoa ao longo do tempo, lembrando-nos da importância de ver além das aparências e buscar a essência genuína daqueles que encontramos.

Da mesma forma, Santo Irineu, um dos primeiros teólogos e bispos cristãos, exemplificou esse chamado ao discernimento em sua obra. Vivendo no século II, ele encontrou vários movimentos filosóficos e religiosos que ameaçavam a autenticidade e integridade da fé cristã. Com profunda visão e discernimento, Santo Irineu combateu essas distorções, enfatizando a importância de permanecer fiel aos ensinamentos de Jesus Cristo e dos apóstolos. Ele reconheceu que o discernimento envolvia não apenas distinguir os ensinamentos verdadeiros dos falsos, mas também nutrir uma profunda conexão espiritual com Deus, permitindo que Sua sabedoria divina guiasse o caminho a seguir.

Na tapeçaria de nossas próprias vidas, o chamado ao discernimento está sempre presente. Ele nos convida a examinar os frutos que emanam de nossos próprios pensamentos, palavras e ações. Estamos plantando sementes de amor, compaixão e integridade, ou involuntariamente semeamos sementes de discórdia, engano e egoísmo? Ao cultivar o discernimento, nos tornamos co-criadores de nossas próprias realidades, moldando um mundo que produz os doces frutos da retidão, autenticidade e graça. Os escritos de Santo Irineu oferecem percepções inestimáveis sobre a importância do discernimento diante de desafios e ideologias conflitantes. Sua ênfase em permanecer fundamentado nos ensinamentos de Cristo, buscar sabedoria nas Escrituras e nutrir um relacionamento vibrante com Deus serve como uma luz orientadora para nossa própria jornada de discernimento.

No entanto, o discernimento não é um esforço solitário. Está entrelaçado com a interconexão de nossas vidas, pois fazemos parte de uma tapeçaria maior que inclui os pensamentos, escolhas e ações dos outros. Assim como somos chamados a discernir os frutos daqueles que encontramos, também devemos estar atentos aos frutos que inspiramos nos outros. Nossas vidas trazem frutos de bondade, empatia e justiça, convidando os outros a fazerem o mesmo? Por meio de nossas interações, podemos plantar sementes de transformação, nutrindo ambientes onde o amor, a compreensão e a união possam florescer.

Queridos amigos em Cristo, o caminho do discernimento não é isento de desafios. Exige que olhemos além das seduções superficiais que cativam nossos sentidos e perfuram o véu da ilusão. Exige que enfrentemos nossos próprios preconceitos e desejos movidos pelo ego. Para dar bons frutos, devemos estar dispostos a nos envolver em profunda auto-reflexão, desenterrando as sementes de negatividade que residem dentro de nós e substituindo-as por sementes de compaixão, perdão e sabedoria. Enquanto navegamos pelas intrincadas paisagens da vida, vamos abraçar o dom do discernimento. Que possamos cultivar a capacidade de ver além das aparências, buscando a verdade que está no cerne de cada situação, de cada encontro. Esforcemo-nos para dar bons frutos, não apenas para nossa própria transformação, mas também como oferenda ao mundo – um testemunho do poder transformador do discernimento, do amor e da vida autêntica. Ao fazer isso, nos tornamos catalisadores de mudanças positivas, alimentando um mundo que floresce com os frutos da graça, da harmonia e das possibilidades ilimitadas do espírito humano. Como Santo Irineu, que nosso discernimento seja um farol de luz em meio à confusão, guiando-nos cada vez mais para perto da verdade e irradiando o amor de Cristo a todos que encontrarmos.

(CLIQUE AQUI PARA VER A REFLEXÃO DO PRÓXIMO DIA: REFLEXÃO/HOMILIA PARA QUINTA-FEIRA DA DÉCIMA SEGUNDA SEMANA DO TEMPO COMUM)

Shalom!
© Pe. Chinaka Justin Mbaeri, OSJ
Paróquia Nossa Senhora de Loreto, Vila Medeiros, São Paulo.
nozickcjoe@gmail.com / fadacjay@gmail.com
___________________________________
PS: Você já rezou o seu terço hoje?

NEVER MISS AN UPDATE AGAIN.

Subscribe to latest posts via email.


Chinaka Justin Mbaeri

A staunch Roman Catholic and an Apologist of the Christian faith. More about him here.

View all posts
Subscribe
Notify of
guest

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x

Discover more from Fr. Chinaka's Media

Subscribe now to keep reading and get access to the full archive.

Continue reading