REFLEXÃO/HOMILIA PARA QUINTA-FEIRA DA DÉCIMA QUARTA SEMANA DO TEMPO COMUM

NAVEGANDO NA EXIGENTE ROTA DO PERDÃO: ESTRADA DA CURA E DA INTEGRIDADE

Primeira Leitura: 44,18-21,23-29;45,1-5
Salmo Responsorial: Sl 104(105),16-21
Leitura do Evangelho: Mateus 10,7-15
____________________________________

No complexo tecido da existência humana, o caminho da reconciliação e do perdão muitas vezes está repleto de espinhos, exigindo coragem e força para percorrer seu terreno traiçoeiro. Isso requer que naveguemos pelas complexidades de nossas emoções e confrontemos as cicatrizes de transgressões passadas. Como o famoso escritor e humorista americano Mark Twain (cujo verdadeiro nome era Samuel Clemens) sabiamente opina: “O perdão é a fragrância que a violeta exala no calcanhar que a esmagou”; e em consonância com a afirmação de Lewis B. Smedes, autor e teólogo cristão, “Perdoar é libertar um prisioneiro e descobrir que o prisioneiro era você”, a luta que enfrentamos ao nos depararmos com a tarefa da reconciliação e do perdão é concretamente capturada e ressoa profundamente, lembrando-nos de que o ato de perdoar não é uma tarefa fácil; ao contrário, ele emana de um lugar de força e resiliência profunda. Imerso nas experiências concretas de nossa vida, o tema central da reconciliação e do perdão é iluminado pela sabedoria atemporal contida nas leituras litúrgicas de hoje.

Tomando a Leitura do Evangelho (Mateus 10,7-15) como ponto de partida, nossa compreensão do tema de hoje encontra ressonância nas instruções de Cristo aos Doze discípulos, enviando-os em missão: “Ao partirdes, proclamai que o Reino dos céus está próximo.” O Reino de Deus, caros amigos, é a totalidade do universo, onde a vontade de Deus reina como utopia – um reino marcado por compaixão, perdão, reconciliação e paz. É um reino que traz cura, purificação e a expulsão do mal de nosso meio, como visto na Leitura do Evangelho. Não é de admirar que, quando pronunciamos as palavras “venha a nós o vosso reino” na oração do Pai Nosso, elas sejam seguidas por “Seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu”. E no cerne dessa vontade divina reside o amor – que, no contexto das leituras de hoje, incorpora reconciliação, perdão e compaixão. Não é surpreendente, portanto, que nossa petição por perdão siga de perto na oração do Pai Nosso.

Da mesma forma, o salmo responsorial fala de intervenção divina e redenção, mostrando a fidelidade de Deus em guiar seu povo através da adversidade. Isso nos lembra que o perdão e a compaixão não são apenas virtudes encontradas na humanidade, mas também atributos divinos. Através do perdão, Deus liberta os oprimidos e oferece um caminho para a salvação e libertação espiritual.

E voltando nossa atenção para a Primeira Leitura do Livro de Gênesis (44,18-21,23-2;45,1-5), a narrativa de José e seus irmãos oferece uma ilustração comovente do poder transformador do perdão e da reconciliação. Em meio à complexidade das relações humanas e à profundidade da traição, José estende a mão do perdão a seus irmãos, incorporando o potencial redentor da reconciliação. “Eu sou seu irmão, José”, declara ele, “aquele que vocês venderam como escravo para o Egito. E agora, não se aflijam, nem se recriminem por terem me vendido para cá. Foi para salvar vidas que Deus me enviou à frente de vocês.” Nestas palavras, testemunhamos a profunda verdade de que o perdão possui a chave para curar feridas e recompor os pedaços despedaçados de nossa existência. O ato de graça de José torna-se uma luz guia, iluminando o caminho da reconciliação que transcende tempo e circunstância.

Caros amigos em Cristo, enquanto nos aprofundamos nessas verdades profundas, permitamo-nos ser profundamente tocados pelo chamado para abraçar a reconciliação e a empatia em nossas próprias vidas, e especialmente vê-las como uma forma de nos libertarmos da prisão da vida, como declarado no início de nossa reflexão. Além disso, voltando à citação de Mark Twain, “O perdão é a fragrância que a violeta exala no calcanhar que a esmagou”. Aqui, mesmo que a violeta seja esmagada e machucada, ela ainda libera seu doce aroma no ar. Da mesma forma, o perdão acontece quando decidimos deixar de lado os sentimentos negativos ou a raiva em relação a alguém que nos fez algo errado ou doloroso. É como o agradável perfume que a violeta exala. Quando alguém nos machuca, em vez de ficarmos chateados e com raiva o tempo todo, perdoá-los é como espalhar uma fragrância doce ao seu redor. A história de José nos ensina que o perdão tem o poder de restaurar relacionamentos fragmentados e revelar bênçãos ocultas. José foi como a violeta esmagada, mas permitiu que seu doce aroma se espalhasse quando encontrou seus irmãos, e isso foi capaz de trazer cura duradoura à família de Jacó. A reflexão do salmista nos lembra que, mesmo nos momentos mais sombrios, a graça divina orquestra um caminho de redenção, conduzindo-nos em direção à reconciliação e à plenitude. E nos ensinamentos de Cristo, somos lembrados da necessidade urgente de empatia, misericórdia e amor altruísta em um mundo assolado por divisão e conflito.

Portanto, ao nos envolvermos nessas leituras, sejamos movidos pelas profundas verdades que elas carregam, refletindo sobre como podemos incorporar a reconciliação e a empatia em nossas próprias vidas. À medida que abraçamos o Reino de Deus, que está próximo, vivamos como filhos desse Reino, cumprindo a vontade de Deus na terra, assim como é feita no céu, atendendo ao chamado para sermos agentes de cura, praticando o perdão, estendendo a compaixão e espalhando o amor em um mundo sedento de união e compreensão. Pois é através do poder transformador da reconciliação que abraçamos nossa humanidade compartilhada, promovendo um mundo que floresce com graça, compaixão e esperança – assim como as pérolas antigas de sabedoria fazem dentro desses textos sagrados.

(CLIQUE AQUI PARA A REFLEXÃO DO PRÓXIMO DIA: REFLEXÃO/HOMILIA PARA SEXTA-FEIRA DA DÉCIMA QUARTA SEMANA DO TEMPO COMUM)

Shalom!
© Pe. Chinaka Justin Mbaeri, OSJ
Paróquia Nossa Senhora de Loreto, Vila Medeiros, São Paulo, Brasil
nozickcjoe@gmail.com / fadacjay@gmail.com
__________________________
Já rezaste o teu terço hoje?

NEVER MISS AN UPDATE AGAIN.

Subscribe to latest posts via email.


Chinaka Justin Mbaeri

A staunch Roman Catholic and an Apologist of the Christian faith. More about him here.

View all posts
Subscribe
Notify of
guest

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x

Discover more from Fr. Chinaka's Media

Subscribe now to keep reading and get access to the full archive.

Continue reading