REFLEXÃO/HOMILIA DO DIA: TERÇA-FEIRA DA 25ª SEMANA DO TEMPO COMUM, ANO II

A MALDADE NÃO É ATRIBUTO DE UM ‘IRMÃO, IRMÃ OU MÃE’ DE JESUS

Primeira leitura: Provérbios 21: 1-6,10-13
Salmo responsorial: Ps. 118 (119): 1,27,30,34-35,44
Leitura do Evangelho: Lucas 8: 19-21
_________________________________________

Em um de seus “Pensamentos Espirituais”, São José Marello, bispo e fundador da Congregação dos Oblatos de São José, expressa: “A maldade não entra no céu” (Escrito 196) Aqui, a “maldade” pode ser também entendida como perversidade, malignidade ou injustiça. Esta expressão, sendo tão direta e explícita, convida o fiel a erradicar-se de todas as formas de maldade e abraçar a virtude, afim de alcançar o céu. Hoje, somos confrontados com uma exortação semelhante, tirada do livro dos Provérbios, com o seguinte tema: “Sobre a maldade e a virtude”, na qual corresponde também à descrição de Jesus a respeito daqueles que cumprem a vontade de Seu Pai, como sua mãe e irmãos.

Para começar, o Livro dos Provérbios, no qual está contido a primeira leitura do dia de hoje, é uma ampla coleção de máximas e frases independentes umas das outras, sem qualquer tipo de fio ideológico, cuja sabedoria das várias gerações de Israel encontra-se depositada. Seu objetivo é tornar cada israelita um homem verdadeiro, ou seja, forte, autocontrolado, interiormente livre, trabalhador, habilidoso, leal, virtuoso, desenraizado da maldade. Em suma, é a base do seu ser. As virtudes, sugeridas na primeira leitura de hoje, são habituais, que consistem na justiça, caridade, humildade, trabalho árduo para um bom fim, entre outras. Assim, o autor lembra aos seus ouvintes que “agir com justiça agrada mais ao Senhor do que o sacrifício” (Cf. Pr 21,3) Em seguida, ele enumera as atitudes e vícios em relação à maldade: o olhar altivo, o coração orgulhoso, a língua mentirosa, a zombaria, as más intenções, o fechamento do ouvido  ao grito do homem pobre. Desse modo, a conclusão se dá na afirmação de que o justo lança os ímpios à destruição; e mais ainda, quem tapar o ouvido ao clamor do pobre, não será ouvido quando clamar a Deus (Cf. Pr 21, 12-13).

Uma compreensão adequada da leitura antecedente pode servir como base preparatória para entender o padrão de referência de Cristo, dirigido àqueles que querem fazer parte de “Sua família”, como sua mãe, irmãos e irmãs (Cf. Lc 8, 21). Assim O Cristo afirma: “Minha mãe e meus irmãos são aqueles que ouvem a palavra de Deus e a colocam em prática”. Melhor dizendo, viver a Palavra de Deus, que ouvimos, é o que define a ação de maneira virtuosa e justa. Essas virtudes e atitudes tendem a produzir o milagre de se tornar a mãe, irmãos e irmãs de Jesus, em oposição à maldade (perversidade, malignidade, rancor, injustiça, etc.), que não tem lugar na família de Jesus.

Queridos amigos e amigas em Cristo, a Bem-Aventurada Virgem Maria é o modelo de como a Palavra é ouvida e acolhida. A bem-aventurança: “Bem-aventurada é aquela que acreditou que se cumpriria o que o Senhor lhe disse” (Lc 1, 45), é a primeira bem-aventurança que ecoa no Evangelho, através dos lábios de Isabel, que se encontrava cheia do Espírito Santo,  assim como a Bem-Aventurada Virgem Maria; portanto, é a bem-aventurança da fé, que acolhe a Palavra de Deus e, a esta mesma, adere com toda a vida. Essa bem aventurança, mais tarde Jesus proclamará: “Bem-aventurados … os que ouvem a Palavra de Deus e a praticam!” (Lc 11,28). Se resume também na “melhor parte” que Maria de Betânia escolheu, sentada aos pés do Senhor, ouvindo a sua Palavra, na qual não lhe será retirada (cf. Lc 10, 38-42). Desse modo, assim como Maria ouviu a Palavra e a pôs em prática (com seu fiat), e depois se tornou Mãe, podemos fazer hoje, pedindo a mesma dignidade de gerar Cristo em nós, fazendo a Vontade do Pai.

Sendo assim, não basta escutar a Palavra, é preciso guardá-la e colocá-la em prática, como fez a Virgem Maria: “Eis aqui a serva do Senhor; faça-se em mim segundo a tua Palavra. ” (Lc 1, 38). Da mesma forma, “Sejam aqueles que colocam a palavra em prática – exorta São Tiago –  não apenas ouvintes, enganando-se a si mesmos” (Tg 1,22). A verdadeira “escuta da Palavra” acontece quando se ama, não com palavras, mas “com obras e em verdade” (1Jo 3,18). Por isso, devemos continuar a orar como o Salmista de hoje: “Guia-me, Senhor, no caminho dos teus mandamentos, porque aí está o meu prazer. Sempre observarei sua lei para todo o sempre.”

Shalom!
© Fr. Chinaka Justin Mbaeri, OSJ
Paroquia Nossa Senhora de Fatima, Vila Sabrina, São Paulo, Brazil
nozickcjoe@gmail.com / fadacjay@gmail.com

NEVER MISS AN UPDATE AGAIN.

Subscribe to latest posts via email.

Chinaka Justin Mbaeri

A staunch Roman Catholic and an Apologist of the Christian faith.

View all posts
Subscribe
Notify of
guest

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x