REFLEXÃO/HOMILIA DO DIA: TERÇA FEIRA DA 12ª SEMANA DO TEMPO COMUM, ANO II

ONDE COLOCAMOS A ‘REGRA DE OURO’ EM NOSSO RELACIONAMENTO COM O OUTRO?

Primeira Leitura: 2 Reis 19, 9-11,14-21,31-36
Salmo Responsorial: Sal. 47 (48), 2-4,10-11
Leitura do Evangelho: Mateus 7:6,12-14
___________________________________

A Regra de Ouro, também conhecida como Ética da Reciprocidade (quid pro quo), foi considerada o princípio mais conciso e geral da ética. Pode ser encontrada na maioria das culturas, religiões, sistemas éticos, filosofias e até nas ciências matemáticas (por exemplo, a média de ouro). E, como se espalha por muitas tradições e filosofias, a Regra de Ouro possui uma autoridade moral colossal, enfatizando os valores de mutualidade, interdependência e reciprocidade. É pertinente entender que as versões da “Regra de Ouro” nos ensinamentos éticos de muitos filósofos e religiões quase sempre assumem uma forma negativa: ‘Não faça com os outros o que não quer que façam com você.’ Jesus se move em uma direção ousada, ensinando-nos, não apenas para evitar fazer o que nos odiamos, mas para fazer ativamente pelos outros aquilo que preferimos para nós mesmos. Um comando tão simples resume a lei moral do Antigo Testamento – “Faça aos outros o que gostaria que eles fizessem a você”. Isso se torna para nós, a lição do dia, como refletido nas leituras.

Não estou inconsciente de que a “regra de ouro” tenha sofrido fortes críticas desde os tempos modernos; não obstante, entender o contexto em que foi expresso por Cristo serviria melhor para reconhecer seu valor intrínseco em nossas relações com o outro no dia atual. Em outras palavras, ao aplicar a regra de ouro, devemos primeiro tentar entendê-la no contexto em que ela é encontrada (cf. Mateus 7,12). Lembremos que em Mateus 7,1-3, Jesus expressa: “Não julgueis, e não sereis julgados; Porque do mesmo modo que julgardes, sereis também vós julgados e, com a medida com que tiverdes medido, também vós sereis medidos. Por que observa o cisco nos olhos do seu irmão e nunca percebe a trave no teu próprio olho?” O significado metafórico aqui é que as pessoas tendem a criticar detalhes minuciosos da vida de outras pessoas, enquanto elas próprias têm sérias falhas que precisam resolver. Como resultado disso, Cristo continua instruindo seus seguidores: “Portanto, sempre tratem os outros como gostaria ser tratado; esse é o significado da lei e dos profetas. ” Ele está simplesmente dizendo: você quer compaixão? Dê compaixão. Você quer piedade? Mostre piedade. Você quer ser tratado com respeito? Mostre respeito. A declaração exige que as pessoas considerem o interesse do outro em primeiro lugar.

O contraste com a regra de ouro é o que encontramos na primeira leitura de hoje. Aqui, aprendemos como o rei Senaqueribe da Assíria ameaçou lidar com o reino do sul de Israel (Judá) depois de ter destruído o reino do norte, e até se vangloriando de que o Senhor não poderia proteger os judeus. O rei Ezequias só tinha uma opção, e era entregar todo o reino do sul a Deus em oração. No final, Deus ouviu sua oração e Judá foi poupado, enquanto o anjo do Senhor saiu e abateu cento e oitenta e cinco mil do exército assírio e o rei Senaqueribe não teve outra opção senão retornar à sua capital em Nínive. Logo após seu retorno, somos informados no versículo seguinte que, enquanto adorava no templo de seu deus Nisroch, Senaqueribe foi assassinado por dois de seus filhos que fugiram para Ararat. Aqui é o exemplo que acontece com aqueles que atacam o povo de Deus ou que não os tratam da mesma maneira que gostariam de ser tratados.

Na verdade, ninguém deseja uma vida de dificuldades em seu próprio prejuízo. Ninguém deseja ser desrespeitado no trabalho, insultado nas mídias sociais, confrontado com falsas alegações ou excluído nas refeições. Portanto, Mateus 7,12 fornece uma maneira de interagir com as pessoas de maneira saudável e produtiva. Em caso de dúvida sobre como responder a uma situação ou como reagir a uma pessoa, basta considerar como você gostaria de ser tratado – e depois tratar os outros da mesma forma. Foi isso que Cristo quis dizer quando nos instruiu no final do evangelho de hoje a entrar pelo portão estreito – o caminho difícil que leva à vida, e apenas alguns o encontram. Que ele nos encha continuamente com Sua graça de viver todos os dias, respondendo ao amor de Deus e estendendo esse amor aos nossos irmãos e irmãs, tratando-os da mesma maneira que gostaríamos de ser tratados. Amém

Shalom!
© Pe. Chinaka Justin Mbaeri, OSJ
Paróquia Nossa Senhora de Fátima, Vila Sabrina, São Paulo, Brasil
nozickcjoe@gmail.com / fadacjay@gmail.com

NEVER MISS AN UPDATE AGAIN.

Subscribe to latest posts via email.

Chinaka Justin Mbaeri

A staunch Roman Catholic and an Apologist of the Christian faith.

View all posts
Subscribe
Notify of
guest

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x